JOÃO 20:1-9

11/11/2012

1º Momento – Silêncio (10 minutos);

2º Momento – Leitura Bíblica (Jo 20:1-9):

“…bem como o lenço que estivera sobre a cabeça de Jesus. Ele estava dobrado à parte, separado das faixas de linho. Depois o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, também entrou. Ele viu e creu” (vs.7,8)

3º Momento – Meditação;

4º Momento – Oração pessoal;

5º Momento – Contemplação em silêncio do mistério recebido no versos 7,8 (10 minutos);

6º Momento – Resposta pessoal:

“Amado Jesus! Quão grande deve ter sido a surpresa de Teu servo João quando entrou dentro do sepulcro. Ele entrou, viu e creu. Antes de entrar ele tinha visto, mas, não tudo, não completamente.

Contudo, ele entrou e viu. Viu além do linho que já tinha visto. Ele viu e creu. Viu a mais. Viu o que ainda não tinha conseguido ver e que por isso também ainda não tinha conseguido crer.

E o que Teu servo viu, Senhor? Oh! Grande é este mistério! João entrou e viu: viu o lenço que estivera posto no rosto de seu Senhor, dobrado num lugar à parte.

Ele creu porque o seu Senhor lhe estava mandando um recado: ‘Eu não permaneci morto. Ressuscitei! Por isso, não desfaça ainda a mesa. O banquete não acabou. Na verdade, está apenas começando. Eu voltarei!’

Aleluia!!! Senhor, minha oração hoje é que me ajudes neste dia que eu viva de forma jubilosa e celebrativa, na expectativa alegre e esperançosa de Tua gloriosa volta.

Amém.

O CONTEXTO DA CULTURA JUDAICA

Para que possamos compreender a profundidade dessa passagem do evangelho de João, faz-se necessário o conhecimento da cultura judaica na época de Jesus.

O lenço dobrado tem a ver com a relação entre o Amo e o Servo, e todo menino Judeu conhecia a tradição.

Quando o Servo colocava a mesa de jantar para o seu Amo ele buscava ter certeza em fazê-lo exatamente da maneira que seu Amo queria. A mesa era colocada perfeitamente e o Servo esperaria fora da visão do Amo até que o mesmo terminasse a refeição. O Servo não se atreveria nunca tocar a mesa antes que o Amo tivesse terminado a refeição.

Se o Amo tivesse terminado a refeição, ele se levantaria, limparia seus dedos, sua boca e limparia sua barba e embolaria seu lenço e o jogaria sobre a mesa. Naquele tempo o lenço embolado queria dizer: “Eu terminei”

Se o Amo se levantasse, e deixasse o lenço dobrado ao lado do prato,
o Servo não ousaria em tocar a mesa porque …

o lenço dobrado queria dizer:“Eu voltarei!”


JOÃO 19:28-42

05/11/2012

1º Momento – Silêncio (10 minutos);

2º Momento – Leitura Bíblica (Jo 19:28-42):

“Tendo-o provado, Jesus disse: ‘Está consumado!’ Com isso, curvou a cabeça e entregou o espírito” (v.30)

3º Momento – Meditação;

4º Momento – Oração pessoal;

5º Momento – Contemplação em silêncio do mistério recebido no verso 30 (10 minutos);

6º Momento – Resposta pessoal:

“Senhor, isso é algo maravilhoso! Quão hediondo, maligno e terrível era o meu pecado que conduziu Teu Santo Filho àquela horrenda cruz para ali morrer no meu lugar.

Cristo fez o que eu e mais ninguém no mundo inteiro poderia fazer por mim ou por si mesmo. E ali ele deu seu derradeiro brado de vitória: ‘Tetelestai’, está pago!

Jesus pagou toda a minha dívida e a minha dívida toda. E quando a mesma foi removida de sobre mim, tudo o mais, que era consequência dela, foi-me tirado também: toda condenação, toda maldição, toda alienação. E, por fim, o que me foi deixado no lugar: salvação, reconciliação e justificação no sangue precioso do pagamento eterno.

Senhor por tudo isso a Ti sejam o meu louvor, a minha gratidão e a minha vida como um todo, ofertada continuamente no Teu altar. Por isso, minha oração de hoje é que neste dia eu não esqueça que minha vida, aqui e dou outro lado da eternidade, é fruto do pagamento de um alto preço.

Amém.


JOÃO 19:17-27

31/10/2012

1º Momento – Silêncio (10 minutos);

2º Momento – Leitura Bíblica (Jo 19:17-27):

“Quando Jesus viu sua mãe ali, e, perto dela, o discípulo a quem ele amava, disse à sua mãe: ‘Aí está o seu filho’, e ao discípulo: ‘Aí está a sua mãe’. Daquela hora em diante, o discípulo a recebeu em sua família” (vs.26,27)

3º Momento – Meditação;

4º Momento – Oração pessoal;

5º Momento – Contemplação em silêncio do mistério recebido no versos 26 e 27 (10 minutos);

6º Momento – Resposta pessoal:

“Amável Jesus, que em meio à sua dor mais profunda e sofrimentos mais humilhantes não deixastes de pensar no bem do próximo, com o coração cheio de ternura e compaixão, entregastes Tua mãe ao Seu discípulo e amado amigo para este dela cuidasse. E assim ele o fez.

Senhor, o mesmo Tu hoje me dizes: ‘Aí está o que sofre; Aí está o que nada tem para comer; Aí está o que nada tem para vestir; Aí está o que não tem onde morar. Podes ao menos enxergá-los ou os seus problemas e necessidades pessoais te impedem de fazê-lo?’

Querido Senhor, minha oração de hoje é que me ajudes nesse dia a que eu consiga migrar de uma leitura da vida egoísta que se afoga nos próprios problemas e urgências, para uma atitude altruísta que consegue romper com a membrana das necessidades do “EU” e levantar a cabeça para conseguir enxergar as necessidades dos que estão próximos a mim.

Amém.


JOÃO 19:1-16

30/10/2012

1º Momento – Silêncio (10 minutos);

2º Momento – Leitura Bíblica (Jo 19:1-16):

“Quando Jesus veio para fora, usando a coroa de espinhos e a capa de púrpura, disse-lhes Pilatos: ‘Eis o homem'” (v.5)

3º Momento – Meditação;

4º Momento – Oração pessoal;

5º Momento – Contemplação em silêncio do mistério recebido no verso 5 (10 minutos);

6º Momento – Resposta pessoal:

“Eis o homem! Eis aquele que só fez o bem por onde que que passou. Eis aquele que deu a vista ao cego. Eis aquele que fez o coxo andar. Eis aquele que fez o mudo falar e que levantou da sepultura o que antes estivera morto.

Eis o homem! Eis o homem que amou os que eram odiados. Eis o homem que acolheu os que estavam desprezados e adornou de honra os que antes estavam nus pela humilhação.

Eis o homem com seu cenho rasgado pelos espinhos, com suas costas em carne viva, dilacerada pelos açoites e o rosto desfigurado pelas pancadas que levou.

Eis o homem, que está morrendo e se entregando para morrer em teu lugar. Por que ele está fazendo assim? Porque ele muito te amou!

Senhor querido! Jesus. Tu és este homem! Por isso Senhor, minha oração de hoje é que durante este dia Tu me ajudes a ter-te diante de mim constantemente. Não permitas perder-te de vista, ó Jesus! Que eu possa ouvir a constante voz do Teu Espírito a dizer-me: “Eis o homem!”

Amém.


JOÃO 18:19-40

28/10/2012

1º Momento – Silêncio (10 minutos);

2º Momento – Leitura Bíblica (Jo 18:19-40):

“Eles, em resposta, gritaram: ‘Não, ele não! Queremos Barrabás!’ Ora, Barrabás era um bandido” (v.40)

3º Momento – Meditação;

4º Momento – Oração pessoal;

5º Momento – Contemplação em silêncio do mistério recebido no verso 40 (10 minutos);

6º Momento – Resposta pessoal:

“Amado e querido Senhor Jesus, que amor é este? Que te conduziu às mãos ímpias de pecadores? Que te fez ser interrogado como um criminoso? Esbofeteado em Tua santa face? E por fim, ser preterido a um homem cuja história nem se deu o trabalho de registrar o nome? Só se diz que era Barrabás, filho de Rabás.

Mas o que se diz sobre ele é o suficiente. E Tu, ó Senhor de toda a graça, aceitas-te de bom grado a humilhação de ser reputado à algo pior do que um meliante.

No entanto, Barrabás precisava ser solto. E na sua soltura está figurada a minha própria. Porque eu também era um marginal: alguém à margem de Tua Lei; à margem de Teu Reino; à margem de Tua vontade. E ao ser conduzido e levantado naquela cruz, atraíste-me para Ti mesmo com laços de amor e misericórdias sem fim.

Senhor, o que dizer à luz de tudo isso? Permite-me apenas silenciar neste momento. E que o meu silêncio, para Ti, seja a minha mais eloquente gratidão.

Amém.


JOÃO 18:12-18

25/10/2012

1º Momento – Silêncio (10 minutos);

2º Momento – Leitura Bíblica (Jo 18:12-18):

“Ela então perguntou a Pedro: ‘Você não é um dos discípulos desse homem?’ Ele respondeu: ‘Não sou!'”” (v.17)

3º Momento – Meditação;

4º Momento – Oração pessoal;

5º Momento – Contemplação em silêncio do mistério recebido no verso 17 (10 minutos);

6º Momento – Resposta pessoal:

“Ah, Paizinho! Quem sou eu para julgar e condenar com tamanha prontidão Teu amigo e servo Pedro, pelo fato de ele ter negado a Teu Filho por medo de ser preso e ter o mesmo fim que se Mestre teria?

Não faço eu o mesmo quando me vem intrínseca e velada por detrás dos acontecimentos que se me apresentam na vida a pergunta daquela mulher: ‘Você não é um dos discípulos desse homem?’

Quantas vezes, ó Senhor, neguei-te dizendo não sê-lo através da minha falta de coragem e hesitação em falar, agir e reagir em conformidade e coerência com a fé que digo possuir. Talvez o que ainda me falta é que ela me possua por inteiro!

Papai, minha oração hoje que faço no nome do Teu amado Filho Jesus, é que me ajudes a que eu tenha um comportamento coerente com minha fé e espiritualidade cristãs. Ajuda-me a que eu tome posição como discípulo desse homem, Jesus.

Amém.”


JOÃO 18:1-11

23/10/2012

1º Momento – Silêncio (10 minutos);

2º Momento – Leitura Bíblica (Jo 18:1-11):

“Jesus, porém, ordenou a Pedro: ‘Guarde a espada! Acaso não haveria de beber o cálice que o Pai me deu?'”” (v.11)

3º Momento – Meditação;

4º Momento – Oração pessoal;

5º Momento – Contemplação em silêncio do mistério recebido no verso 11 (10 minutos);

6º Momento – Resposta pessoal:

“Paizinho, Teu Bendito Filho, totalmente entregue e abandonado em Teus braços não se valeu da espada de seu impetuoso amigo e apóstolo Pedro. Mas, pelo contrário, com mãos livres tomou para si o cálice amargo que lhe havias reservado.

Senhor, a minha oração hoje é que me ajudes  a estar entregue e abandonado em Ti como Jesus estava. Diante dos vários ‘cálices’ que Tu me apresentares neste dia, e não apenas no dia de hoje, mas, durante toda a minha vida, não quero lutar contra eles: deponho a minha espada!

Pois, um homem completamente abandonado em Ti conserva as mãos desembaraçadas para que possa tomar para si o cálice de tua soberana vontade.

Meu Deus e meu tudo! Que seja feita, sempre e sempre, a Tua vontade. Assim na Terra como nos céus. Na vida do Teu povo. Na minha própria vida.

Amém.”